Overblog Suivre ce blog
Editer la page Administration Créer mon blog
/ / /
Esta série de fotos, iniciada em 1996, capta nos detalhes de troncos, sombras e raízes, as cores, as dobras e os restos. 
Um jardim que, nas palavras do poeta Louis Aragon, traz a errância do homem em suas sílabas.
Esta série de fotos, iniciada em 1996, capta nos detalhes de troncos, sombras e raízes, as cores, as dobras e os restos. 
Um jardim que, nas palavras do poeta Louis Aragon, traz a errância do homem em suas sílabas.
Esta série de fotos, iniciada em 1996, capta nos detalhes de troncos, sombras e raízes, as cores, as dobras e os restos. 
Um jardim que, nas palavras do poeta Louis Aragon, traz a errância do homem em suas sílabas.
Esta série de fotos, iniciada em 1996, capta nos detalhes de troncos, sombras e raízes, as cores, as dobras e os restos. 
Um jardim que, nas palavras do poeta Louis Aragon, traz a errância do homem em suas sílabas.
Esta série de fotos, iniciada em 1996, capta nos detalhes de troncos, sombras e raízes, as cores, as dobras e os restos. 
Um jardim que, nas palavras do poeta Louis Aragon, traz a errância do homem em suas sílabas.
Esta série de fotos, iniciada em 1996, capta nos detalhes de troncos, sombras e raízes, as cores, as dobras e os restos. 
Um jardim que, nas palavras do poeta Louis Aragon, traz a errância do homem em suas sílabas.
Esta série de fotos, iniciada em 1996, capta nos detalhes de troncos, sombras e raízes, as cores, as dobras e os restos. 
Um jardim que, nas palavras do poeta Louis Aragon, traz a errância do homem em suas sílabas.
Esta série de fotos, iniciada em 1996, capta nos detalhes de troncos, sombras e raízes, as cores, as dobras e os restos. 
Um jardim que, nas palavras do poeta Louis Aragon, traz a errância do homem em suas sílabas.
Esta série de fotos, iniciada em 1996, capta nos detalhes de troncos, sombras e raízes, as cores, as dobras e os restos. 
Um jardim que, nas palavras do poeta Louis Aragon, traz a errância do homem em suas sílabas.
Esta série de fotos, iniciada em 1996, capta nos detalhes de troncos, sombras e raízes, as cores, as dobras e os restos. 
Um jardim que, nas palavras do poeta Louis Aragon, traz a errância do homem em suas sílabas.
Esta série de fotos, iniciada em 1996, capta nos detalhes de troncos, sombras e raízes, as cores, as dobras e os restos. 
Um jardim que, nas palavras do poeta Louis Aragon, traz a errância do homem em suas sílabas.
Esta série de fotos, iniciada em 1996, capta nos detalhes de troncos, sombras e raízes, as cores, as dobras e os restos. 
Um jardim que, nas palavras do poeta Louis Aragon, traz a errância do homem em suas sílabas.
Esta série de fotos, iniciada em 1996, capta nos detalhes de troncos, sombras e raízes, as cores, as dobras e os restos. 
Um jardim que, nas palavras do poeta Louis Aragon, traz a errância do homem em suas sílabas.
Esta série de fotos, iniciada em 1996, capta nos detalhes de troncos, sombras e raízes, as cores, as dobras e os restos. 
Um jardim que, nas palavras do poeta Louis Aragon, traz a errância do homem em suas sílabas.
Esta série de fotos, iniciada em 1996, capta nos detalhes de troncos, sombras e raízes, as cores, as dobras e os restos. 
Um jardim que, nas palavras do poeta Louis Aragon, traz a errância do homem em suas sílabas.
Esta série de fotos, iniciada em 1996, capta nos detalhes de troncos, sombras e raízes, as cores, as dobras e os restos. 
Um jardim que, nas palavras do poeta Louis Aragon, traz a errância do homem em suas sílabas.
Esta série de fotos, iniciada em 1996, capta nos detalhes de troncos, sombras e raízes, as cores, as dobras e os restos. 
Um jardim que, nas palavras do poeta Louis Aragon, traz a errância do homem em suas sílabas.
Esta série de fotos, iniciada em 1996, capta nos detalhes de troncos, sombras e raízes, as cores, as dobras e os restos. 
Um jardim que, nas palavras do poeta Louis Aragon, traz a errância do homem em suas sílabas.
Esta série de fotos, iniciada em 1996, capta nos detalhes de troncos, sombras e raízes, as cores, as dobras e os restos. 
Um jardim que, nas palavras do poeta Louis Aragon, traz a errância do homem em suas sílabas.

Esta série de fotos, iniciada em 1996, capta nos detalhes de troncos, sombras e raízes, as cores, as dobras e os restos. Um jardim que, nas palavras do poeta Louis Aragon, traz a errância do homem em suas sílabas.

Partager cette page

Repost 0
- dans album

Présentation

  • : Les choses & les vestiges
  •  Les choses &  les vestiges
  • : Este Blog apresenta parte de meu trabalho fotográfico, com a intenção de compartilhar um percurso de mais de 10 anos de fotografia. Além disso, a partir do início de maio de 2008, comecei a escrever uma coluna (Folhas Volantes) para o site Sibila - Revista de Poesia e Cultura (www.sibila.com.br).
  • Contact

Recherche

Archives

Liens